O que significa ter inglês intermediário?

Quem tem inglês intermediário consegue se virar bem nas situações do cotidiano, como viajar para outros países, pedir informações e fazer um pedido em restaurantes sem grandes dificuldades. O problema acaba sendo a falta de vocabulário e de um discurso mais fluente na hora de se comunicar.

O que é o CEFR?

Pouca gente deve ter percebido, mas os níveis em que um aluno é classificado dependem da escola de idiomas, afinal, cada uma delas apresenta a sua própria régua para medir o conhecimento sobre a língua.

Para estudar ou trabalhar fora do Brasil, não existe essa subjetividade. Por isso, há um parâmetro internacional medido pelo Quadro Comum Europeu de Referência para Línguas (CEFR), com um padrão e condições de igualdade na hora de avaliar os estudantes e seis níveis de domínio do inglês: A1, A2, B1, B2, C1 e C2.

O “A” está relacionado aos níveis iniciais, ou seja, ao inglês básico. Já o “B”, conta com um pouco mais de conhecimento e entendimento sobre o idioma. O “C” é o nível mais alto dessa classificação e solicitado para aqueles que pretendem estudar ou trabalhar fora do país mesmo.

O inglês intermediário segundo o CEFR

No nível intermediário, também conhecido como B, os alunos podem ser classificados em B1 ou B2. O B1 é considerado aquele em que existe uma compreensão maior sobre assuntos familiares. A pessoa desse nível consegue reproduzir discursos simples sobre alguns temas que conhece.

Já o B2, engloba aqueles que apresentam mais independência em relação ao idioma. Eles também compreendem ideias principais de textos com um grau maior de complexidade. A partir dele, pode haver uma espontaneidade com falantes nativos sem aquela tensão absurda durante uma conversa.

Fonte: Fundação Estudar

Fonte: Cambridge

Como descobrir o seu nível de acordo com o CEFR?

Para saber em qual desses níveis cada um está, é preciso fazer o teste de proficiência internacional de inglês. É importante saber que existem diferentes modelos de certificação (como as de Cambridge, por exemplo), mas todos eles avaliam as habilidades (falar, escutar, ler e escrever). Assim, é possível saber o desempenho em cada uma dessas áreas.

Ou seja, você pode saber qual é a habilidade que domina mais e qual precisa de mais atenção para ser melhorada. Quanto mais cedo os pontos de melhoria forem identificados, mais rápido será possível alcançar os objetivos traçados, afinal, eles podem ser trabalhados por mais tempo.

Como sair do inglês intermediário

Esse é um problema que afeta muita gente que estuda inglês. Quando você começa a ter contato com a língua, a evolução acaba sendo grande e rápida porque o conhecimento sobre o idioma é bem pequeno. A motivação é alta também em aprender porque o progresso é rápido.

Quando a pessoa atinge o nível intermediário, a percepção sobre essa evolução é mais lenta. O importante é não desistir, afinal, todo o esforço e a dedicação vão ser recompensados depois de um tempo. Tenha sempre em mente: se você está estudando, está saindo do lugar.

O nível intermediário exige mais dedicação que o básico. Sabe aquela fase em que você faz exercício físico mas não vê muitas mudanças? Então, essa fase de aprendizado do inglês é bem parecida com isso.

O que pode ser feito na prática

Todos os dias assista a dois episódios de algum seriado em inglês e com legenda em inglês. Por mês, são 60 episódios. Em seis meses, serão 360 episódios. E sem você perceber vai melhorar bastante. A percepção só vem depois. Ou seja, não desista!

Tem gente também que acha que precisa da ajuda de uma escola de inglês para estudar e conseguir ainda mais progresso no idioma. Para elas, a recomendação é simples: procure uma bolsa de estudo no Quero Bolsa Idiomas e resolva logo esse problema.

Saiba mais sobre a Brazcubas e conheça também a opinião dos alunos na página de avaliação da universidade.

Deixe um comentário