Afinal, como conseguir financiamento estudantil?

Conseguir um diploma de curso superior é desejo de muitos brasileiros, mas sabemos que nem todos têm condições de arcar com a mensalidade. Para solucionar esse problema, existem muitas opções de financiamento estudantil, que ajudam a transformar o sonho em realidade.

Fazer uma faculdade é sinônimo de qualificação, o que representa maiores chances de conseguir um bom emprego e salários melhores. Por isso, para que o investimento na educação não seja um obstáculo, o sistema de financiamento — também chamado de crédito ou empréstimo universitário — oferece auxílio para que os estudantes consigam custear sua formação.

Portanto, se você quer fazer uma graduação, acompanhe este artigo. Vamos mostrar os principais tipos de financiamento estudantil e como você pode conseguir cada um deles. Confira!

FIES

Criado pelo Governo Federal, o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um dos principais tipos de empréstimo. Ele é destinado a pessoas de baixa renda que buscam ingressar em uma universidade particular. O programa conta com taxas de juros bem abaixo de outras que existem no mercado e o valor financiado só começa a ser quitado depois que o aluno se forma.

Para conseguir o FIES, é preciso atender a alguns pré-requisitos, como:

  • ensino médio completo;

  • renda familiar bruta mensal de até 3 salários mínimos por pessoa;

  • participação em qualquer edição do Enem a partir de 2010, com nota mínima de 450 pontos na média das provas e nota acima de zero na redação;

  • matrícula em cursos com avaliação positiva, isto é, cursos avaliados pelo MEC com conceito maior ou igual a 3 no ENADE.

Para ingressar no programa do FIES, o candidato ao financiamento deve participar, ainda, de processos seletivos. Os critérios dessa seleção são definidos pelo MEC e levam em conta os fatores socioeconômicos dos candidatos.

Vale lembrar que algumas situações impedem a participação no processo seletivo do FIES, tais como:

  • estar inadimplente com o Programa de Crédito Educativo (PCE/CREDUC);

  • já ter sido beneficiado pelo FIES anteriormente;

  • ter bolsa integral do ProUni.

O FIES geralmente é ofertado duas vezes ao ano, no início de cada semestre. Para se inscrever, você deve ficar atento à data exata divulgada pelo Ministério da Educação. A inscrição é gratuita e deve ser feita exclusivamente pela internet, na página do FIES Seleção. Se aprovado, você deve fazer um cadastro no SisFIES, validar a documentação na faculdade e, por fim, firmar o contrato do financiamento em uma instituição bancária autorizada.

ProUni

O Programa Universidade para Todos (ProUni) é outra opção para ingressar em uma faculdade particular. Assim como o FIES, ele acontece duas vezes ao ano, em cada semestre.

O programa é uma iniciativa do Governo Federal e disponibiliza bolsas parciais ou integrais, conforme critérios socioeconômicos. Candidatos cuja renda familiar é de até um salário mínimo e meio por pessoa têm direito à bolsa integral. Já candidatos com renda de até três salários mínimos por pessoa ganham bolsa parcial, no valor de 50% da mensalidade.

Além do critério de renda, existem outros requisitos para pleitear a bolsa, como:

  • ter realizado a última edição do Enem e obtido, no mínimo, 450 pontos nas provas, sem ter zerado a redação;

  • ter feito todo o ensino médio na rede pública ou em escola privada com bolsa integral;

  • ter algum tipo de deficiência.

As inscrições são feitas exclusivamente pelo site do ProUni e o estudante pode escolher até duas opções de curso. O candidato é posicionado em um ranking de acordo com a nota do Enem, o que pode ajudá-lo a ingressar em cursos mais concorridos caso tenha um bom desempenho.

O ProUni divulga a nota de corte de cada curso e, assim, você pode avaliar se sua nota é suficiente para conseguir a bolsa. Caso queira, pode alterar suas opções de curso durante o período de inscrição.

Bancos privados

Para aqueles que não conseguirem um crédito do Governo, existe a alternativa de empréstimo universitário privado, por meio de bancos como o Bradesco, que oferece financiamento estudantil para graduação. O Santander não disponibiliza créditos para esse nível de escolaridade e, no caso da Caixa, o financiamento é feito pelo FIES.

As taxas do crédito estudantil em bancos privados costumam ser menores do que os demais encargos, como o do cheque especial ou de um empréstimo tradicional. Ainda assim, é importante que você avalie cautelosamente os juros que serão devidos, pois eles costumam ser elevados.

Além disso, nos planos privados, normalmente é preciso pagar uma parte do financiamento no início do contrato ou começar a primeira parcela já no primeiro mês. Portanto, garanta que as prestações fiquem dentro do seu orçamento.

A primeira condição para solicitar o financiamento em bancos é de que a instituição financeira tenha parceria com a universidade. No Bradesco, há, ainda, outros requisitos, como ser maior de 18 anos e ter conta corrente no banco. Depois de pedir uma declaração na faculdade, basta ir a uma agência solicitar o financiamento. Nesse caso, o aluno tem 12 meses para pagar 6 meses de faculdade e a taxa de juros pode variar conforme o contrato entre o banco e a universidade.

Para conseguir o melhor financiamento privado, a dica é pesquisar as entidades financiadoras disponíveis para comparar e avaliar qual oferece as melhores condições para você.

Pravaler

O Pravaler é outro tipo de financiamento estudantil privado. Adquirido pelo Banco Itaú, o programa tem algumas vantagens, como poder realizar todo o financiamento de forma on-line e sem a necessidade de ter conta em banco. Além disso, o crédito pode ser solicitado a qualquer momento e não é necessário que o aluno tenha feito Enem.

Funciona assim: você contrata o valor de todas as mensalidades do semestre vigente e, então, o Pravaler quita a quantia financiada, pagando à instituição de ensino. Assim, você pode pagar o financiamento de cada semestre em um ano, por meio de parcelas. Para manter o crédito, basta renová-lo semestralmente.

As principais condições para solicitar crédito do Pravaler são:

  • escolher uma graduação em faculdade conveniada com o Pravaler;

  • comprovar renda mínima de 2,2 vezes o valor da mensalidade;

  • ter nome limpo em instituições como SPC e Serasa;

  • ter um garantidor (alguém de sua confiança), com renda de, pelo menos, um salário mínimo.

Para solicitar o crédito estudantil, você deve fazer o cadastro no portal do Pravaler, aguardar a análise de crédito e, depois, enviar os documentos requisitados.

Essas são as quatro principais formas de adquirir um crédito universitário. Para fazer a melhor escolha, a dica é avaliar as regras e condições de cada programa e identificar aquele que mais atende às suas necessidades.

Agora que você já sabe como conseguir um financiamento estudantil, assine a nossa newsletter e receba as melhores dicas e informações para conquistar o seu diploma!

 

Deixe um comentário